jusbrasil.com.br
18 de Setembro de 2019

Não! Tiririca não será nosso Presidente!

Notícias sem sentido tem circulado nas redes sociais afirmando que o Deputado Federal Tiririca tem chances de assumir a presidência do Brasil no caso de impeachment de Dilma Rousseff

Fátima Burégio, Estudante de Direito
Publicado por Fátima Burégio
há 4 anos

Diante de cada fato relevante que repercute na internet, já quase nos acostumamos com as teorias surreais que começam a circular desde os primeiros momentos. A que chegou a mim em alguns questionamentos é especialmente curiosa: Tiririca seria nomeado Presidente da República.

A estória passa por uma mal-ajambrada construção, segundo a qual, com o impeachment de Dilma, Temer não poderia assumir em razão de supostas investigações a que responde. Em decorrência da Operação Lava-Jato, Eduardo Cunha e Renan Calheiros também estariam fora do páreo.

Assim, assumiria temporariamente o Presidente do Supremo que convocaria novas eleições. Mas, neste meio tempo, deveria assumir como Presidente da República o Deputado Federal mais votado. Ocorre que Russomano teria também uma condenação e, portanto, veríamos Tiririca subindo a rampa do Planalto.

Nada mais sem sentido.

A linha de sucessão presidencial tem, por ordem, o vice-presidente, os presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e do Supremo Tribunal Federal. E só.

Temer não responde a qualquer processo, por hora ao menos, que inviabilize assumir se necessário.

Cunha, enquanto permanecer deputado e Presidente da Câmara, também poderia fazê-lo na impossibilidade de Temer ascender ao cargo por alguma outra razão. Se Cunha for cassado, obviamente a Câmara dos Deputados não permanecerá sem um Presidente, elegendo-se outro que, então, entraria na linha sucessória.

O mesmo vale para Renan Calheiros, caso no futuro venha a sofrer alguma condenação que leve a sua cassação. O Senado Federal escolheria outro chefe, que preencheria a linha sucessória.

Em outras palavras, a sucessão não é pessoal; não é Temer-Cunha-Renan-Lewandowski. Mas institucional, são os cargos que detêm o direito de sucessão, não seus ocupantes temporários.

E, por fim, se um cataclismo se abatesse sobre Brasília e o Parlamento resolvesse deixar de eleger presidentes, ainda assim não assumiria o deputado mais votado. Permaneceria o mandato nas mãos do Presidente do Supremo Tribunal Federal.

Esclarecida a questão, calha refletir um pouco sobre como um despautério destes consegue encontrar repercussão. E não apenas no Sensacionalista ou no i-Piauí Herald, mas em compartilhamentos de quem crê no que divulga.

Existe um princípio geral da lógica que se chama “Navalha de Ockham”, segundo o qual, diante de duas explicações possíveis para um fenômeno, tende a ser verdadeira aquela que pressupõe um menor número de causas. Em outras palavras, na dúvida, fique com a explicação mais simples; é mais provável que ela seja a correta.

Na internet, aparentemente, vige uma regra oposta, o “Princípio de Dalí”, pelo qual merece ser compartilhada a informação que soar mais absurda, sem sentido e surreal possível. Parece que vivemos todos em um grande esquete do Monty Python, no qual o gerador de improbabilidades infinitas do Guia do Mochileiro das Galáxias dá uma forcinha para tornar mais amalucado.

Seria divertido, não fosse o efeito multiplicador destas sandices. Antes de compartilhar, parar, respirar, contar até três e pensar por um minutinho, segue sendo o melhor remédio.

Por Fernando Neisser

44 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Detalhe: só o vice pode suceder definitivamente. Para os demais, o caráter é temporário, ou seja, até a realização de novas eleições. continuar lendo

parece que não entenderam nada da carta ai acima:
- qualquer brasileiro, pode ser presidente. A linha sucessória existe, mas se continuarem procurando quem não presta, e tirá-los de Brasília, não vai sobra quase nada.
daí a colocar um honesto que sobra (porque não Tiririca ?)é um passo.

Realmente nunca um "slogan" fez tanto sucesso:
TIRIRICA - PIOR QUE TÁ NAO FICA. continuar lendo

Quem dera se as pessoas tirassem da sua lista de votos os políticos que não prestam ai seria outro nível! continuar lendo

Para um povo que já elegeu "Cacareco" e "Macaco Tião", não duvido de mais nada.
Falando sério; é preciso investir na educação para mudar os rumos do Brasil. continuar lendo

Bem, mesmo sendo irreal fiz uma "viagem" pela possibilidade a não vi grande diferença do que temos hoje. Acho que até seria melhor, pelo menos estaríamos mais bem representados. Ou não? continuar lendo

Mas, o vice também não pedalou durante as viagens da Presidente? A ele também não caberia pedido de impeachment, por ter concordado com as pedaladas? continuar lendo

Parece-me que Michel Temer também praticou as ditas "pedaladas". Se confirmada tal conduta, seria caso para impeachment. Mas todos sabemos que é impossível afastar ambos; são dois dos partidos mais fortes do Congresso. O Impeachment de um inviabiliza do outro... Questões políticas. continuar lendo

Vamos distinguir o HOAX da Piada.
Aliás, um vídeo popular na internet é do Deputado Tiririca manifestando-se contra a saída da presidente.
Porém, não deixaria de ser hilário vê-lo subindo a rampa ao som de Florentina..
(piada, hein. hshshshs.) continuar lendo

Merece ser compartilhado um bilhão de vezes! continuar lendo

Uma coisa que me dói a alma é aquele argumento do tipo:
"Ah, o Brasil já é um circo, nada mais justo um palhaço como presidente!"

Sério, não tenho nada contra o Tiririca. Mas enxergo, além da necessidade de os governantes tomarem consciência de seus atos no poder em que deveriam representar a população que os elegeu (e não pensar apenas no próprio bolso sujo pela corrupção), uma necessidade ainda maior de a própria população brasileira parar de enxergar o assunto política como piada e levar à sério o estado crítico em que o Brasil se encontra atualmente.

Parar com essa de "zueira", de "hue br", de "circos e palhaços" quando se envolver a situação do país...

Falta seriedade no assunto, falta preocupação, falta mais ainda o patriotismo da nossa população pelo nosso Brasil. continuar lendo